Diário de uma ex-adolescente lerda: Minha triste história com o inglês

Hello people, como vão? Hoje vou começar uma nova coluna aqui no blog e espero que vocês gostem. A ideia surgiu da vontade de conversar um pouco mais com vocês sobre a minha pessoa, ou seja, através de crônicas, vou discutir sobre algumas histórias e fatos interessantes que aconteceram na minha vida e provavelmente na vida de algum de vocês  também. Assim a gente pode conhecer melhor de cada um, e a cada post da coluna, eu vou trazer um tema e discutir sobre ele, geralmente, sobre algumas experiências que vivi durante a minha adolescência (e que infelizmente foi longa!). E para começar, o tema de hoje será Minha triste história com o inglês.

Minha triste história com o inglês

Aqui em Brasília há um programa nas escolas chamado CIL – Centro Interesecolar de Línguas, que é aberto para a comunidade e estudantes do DF com cursos de inglês, espanhol e francês (rolou um japonês e um alemão, mas eu nunca fiz). E como a minha família nunca foi dado a muitos privilégios, minha mãe viu uma oportunidade e logo inscreveu eu e minha irmã para fazermos inglês. 
Gente, não sei vocês mas o inglês do ensino médio/fundamental nunca saiu do verbo to be, ao menos no da minha escola, e como isso era fácil pra caramba, eu “dominava” a matéria, então quando vi que ia estudar inglês, na hora me imaginei super poliglota no futuro (haha, porque eu sonho alto!). Só que o inglês não é tão fácil assim…
Os primeiros anos no curso eu consegui tirar notas boas e até razoáveis, já que a matéria era aquela que eu já sabia (verbo no passado, verbos irregulares e estas coisas). Só que no quinto semestre, eu acabei pegando uma professora mais velha que minha avó. Sabe aquelas professoras que parecem que faz de tudo para acabar com a sua vida acadêmica? Te apresento minha ex-professora E. (eu não lembro o nome da moça). Além dela ser super chata, eu ainda não conseguia entender a matéria que ela tava dando e minhas dificuldades no inglês começaram a aparecer.
Cara, eu praticamente declinei. Tudo aquilo que eu fui aprendendo nos quatro semestres bons parecem que foram para o ralo, já que minha memória de Dory não se lembra de nada. Imagina só você chegar no intermediário com a professora falado tudo em inglês, e você esperando ela terminar o diálogo para perguntar pro seu colega do lado o que ela disse… era assim minha situação. Eu me sentia mais burra que a Sabrina Sato quando começou a fazer o curso.
Resumindo: fiquei de recuperação com essa professora, mas no fim acabei concluindo meus seis anos de inglês que foram direto para o lixo, já que eu não aprendi nada. Por isso que eu nem sinto vontade de ler livros em inglês, já que meu pequeno cérebro mal consegue traduzir “severed” sem colocar no Google, aff. Eu poderia ter me dedicado mais ao curso? Obviamente que sim, mas eu acabei pegando tanto desgosto pela coisa que desisti sabe. Agora pretendo fazer um outro curso para ver se eu consigo aprender ao menos alguma coisa.
E vocês já passaram por alguma situação semelhante?

Deixe uma resposta para Greice Blogando Livros Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

26 thoughts on “Diário de uma ex-adolescente lerda: Minha triste história com o inglês

  1. Oi, Mi!
    Menina, nas escolas que estudei, o inglês nunca passava do plural e conjugações verbais irregulares. Desde a 5ª série até o terceirão era só isso que eu mesma já era super craque hahahahha Mas como eu sempre gostei da língua, tratava de estudar por fora.
    É ruim quando a gente pega um prof ruim porque nossa vontade de fazer qualquer coisa vai pro ralo!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

  2. Achei a ideia dessa coluna super bacana. A alguns dias atrás eu estava conversando com algumas amigas e chegamos á conclusão que a adolescência é a pior fase da nossa vida até agora, mas, a parte boa é que sobra história pra contar, kk.
    Eu acho que a sua história passou a ser triste quando a E. começou a te dar aula. Quando o professor não é bom, a gente passa a odiar a matéria tbm. Acho válido você começar um novo curso e possívelmente vai perceber que você sabe de muita coisa, o inglês só precisa ser desabrochado dentro de você, kk.
    No meu caso eu aprendi inglês na escola pública que eu estudei mesmo. Leio e entendo muito bem a língua, apenas escrever e falar que é um pouco complicado pra mim.
    Beijo, http://www.apenasleiteepimenta.com.br

  3. Menina, eu amo o inglês, eu sonho em inglês e já fiz curso, mas morro de vergonha de falar. Eu entendo as pessoas falando comigo mas não consigo conversar com elas por causa de traumas das pessoas me corrigindo da forma severa sabe?

    Greice

    Blogando livros.

  4. Oi, Mika!
    Que pena que uma professora ruim acabou com toda a sua experiência no inglês, que podia ser bem bacana.
    🙁
    Eu sempre tive facilidade com línguas, então não foi problema para mim inglês.
    Estudei também espanhol, francês e italiano.
    Hoje falo bem só inglês, os outros eu dei uma esquecida já.
    E sabe quem foi o melhor professor de inglês que eu tive? Meu pai!
    Toda segunda ele me sentava com a minha irmã e dava aula para a gente.
    Era muito legal!

    Beijoooos

    http://www.casosacasoselivros.com
    http://www.livrosdateca.com

  5. Oi Mi, por um momento eu achei que o post era sobre a minha pessoa hahahahahahaha Eu sempre preferi espanhol a inglês, tanto que sou formada em Letras português/espanhol. Na escola eu odiava inglês, vivia me escondendo pra nunca ser chamada pra ler e criei trauma. Mas depois de adulta fui estudar num escola de idiomas e a coisa melhorou e ainda precisa melhorar bastante, mas um dia a gente chega lá rsrsrsrs AMEI o post!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

  6. OOi Mi, olha na escola nunca gostei do inglês, pois era aquela coisa bem maçante, de " Hi " "yes". Agora que estou na fase adulta, pretendo fazer um curso, mas não sei se vou concluir já que, eu também sou péssima. Prefiro o francês do que inglês.
    Beijos boa semana
    bellapagina.blogspot.com.br

  7. Menina, eu adoro inglês, mas nunca tive condições de fazer um curso por muito tempo, então tudo o que sei é por causa das séries e músicas, e alguma coisa do que aprendi na escola, acho, rs.
    Conheço algumas pessoas que fizeram anos de inglês e às vezes não entendem tão facilmente um diálogo como eu, é tenso. Depende da dedicação da pessoa tbm.
    Espero em breve finalmente conseguir fazer um curso, sou doida pra ler livros em inglês kkk
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

  8. Oi Miriã!
    Adorei a nova coluna, realmente é muito bom saber um pouco mais sobre quem está por trás. Gostei bastante da ideia!
    Sobre a sua história, nunca fui boa em inglês… e todos os professores foram como essa que você citou, ou seja, nem verbo to be aprendi direito (ou eu não lembro, bate Dory o/). Muitas vezes os professores são culpados, muita gente vai e concursa e passa, mas não sabe dar aula, não sabe fazer o aluno ter interesse e acaba acontecendo isso. Infelizmente há profissionais maravilhosos desmotivados, pq há aqueles que não sabem explicar nada e deixa o aluno sem querer se estimular a entender a matéria. Faz parte rs
    Quero mais posts da coluna 😉
    Beijos

    http://www.lendoeapreciando.com

  9. Oi, Leslie. Eu sou ruim em tudo, meu vocabulário é péssimo apesar dos seis anos, mas consigo me virar se caso um dia me perdesse por lá. Quero fazer um novo curso e levar realmente a sério esta história de inglês.

  10. Sempre achei e acho que tenho boas bases mas depois para formar uma conversa com alguém, aí a coisa complica! O melhor mesmo para aprimorar o nosso inglês é ver filmes sem legenda, ler em inglês, ver séries sem legenda, ouvir e ler as músicas em inglês.
    E tentar conversar em inglês!
    Isso vai melhorando com o treino.

    MRS. MARGOT

  11. Oi, Mi

    Aiii essea professores velhos! Hahahaha
    Eu sempre tive uma certa facilidade com a língua, pois eu sempre traduzia as músicas que escutava na adolescência. Mas não era aquele inglêêês, né? Acho que o inglês de todas as escolas do Brasil não sai do verbo to be! Hahahaha
    Aí quando eu tinha uns 17/18 entrei em um curso… hoje em dia meu inglês é avançado, mas vou te contar que ele evoluiu muito foi com a leitura e ao assistir séries e filmes em inglês com legenda em inglês!
    Tenta ler uma história que você já conhece, assim fica mais fácil! 😉

    Beijos
    – Tami
    http://www.meuepilogo.com

  12. Oi, Teca, caramba, você fala muito! Eu acho o francês muito fru fru, mas acho lindo o italiano, apesar do meu namorado dizer que o italiano é muito grosseiro. Minha família não tem facilidades com língua, infelizmente nenhum gosta de inglês.

  13. Oi Mi. Eu sempre curti inglês mas desde que ele virou uma espécie de obrigação eu acabei deixando de gostar. Eu também não sou muito fã do espanhol, mas deveria aprender já que meu namorado é da Espanha.

  14. Oi, Kamilla. Obrigada pelo carinho.
    É exatamente isso que penso. Há professores com um currículo acadêmico maravilhoso, inclusive alguns da faculdade, mas não tem didática nenhuma, nossa. Dá vontade de se matar com uma aula deles.

@blogcapitulotreze

Livros baseados em contos de fadas Por quê é importante ler? Livros que se passam fora dos EUA Um dia: livro x filme 5 bebidas para acompanhar um bom livro