Filme: Máquinas Mortais

Ontem conferi o filme Máquinas Mortais do livro homônimo de ficção científica. Pra quem quiser conhecer o livro, tem resenha no blog da Alice, então acesse aqui. Em um mundo pós-guerra que quase acabou com a humanidade, toda a tecnologia foi extinta. Agora para sobreviver, as grandes cidades precisam se locomover, se tornando então Cidades de Tração. Londres é uma delas, que se alimenta de outras cidades menores e assim por diante. 
Em um ataque a outra cidade, Hester Shaw (Hera Hilmarsdóttir), uma menina com uma cicatriz horrível, tenta matar Thaddeus Valentine (Hugo Weaving), o famoso arqueólogo de Londres. Ela o acusa de ter matado sua mãe. Tom Natsworthy (Robert Sheehan), um historiador aprendiz acaba o salvando. Só que ao perseguir a garota, Valentine acaba jogando Tom para foda da cidade por ele saber demais.

Agora eles precisam sobreviver ao Campo de Caça, onde outras Cidades de Tração, saqueadores e piratas estão perseguindo-os. E ao que tudo indica, Londres planeja um grande ataque à Muralha, onde várias cidades anti-tracionistas estão, mas para isso recorre a uma arma mortal que sobreviveu a Guerra dos Sessenta Minutos. Resta saber se esses dois conseguirão detê-lo a tempo.
Quando assisti o filme ontem, eu não fazia a menor ideia do que era a história porque eu não tinha lido o livro, nem mesmo entendido os trailers, mas eu me surpreendi de uma forma muito positiva, porque Máquinas Mortais é um filme excitante do início ao fim, bem estilo Maze Runner, Jogos Vorazes e outras histórias de distopia, mas com seu mundo peculiar no lugar.
Imagina a gente voltar a era da máquina, lá na Revolução Industrial? É engraçado e ao mesmo tempo muito estranho ver o quanto a humanidade ali voltou no tempo. Eles se diziam mais evoluídos, mas tudo mostra que a evolução passou longe dali. O filme é um steampunk, então vocês podem entender bem o que eu tô falando, apesar da história se passar em 3118.
Hester é uma personagem que esconde muitos segredos mas que aos poucos nos é revelado, então vamos entender que existe muito mais por trás da história que Valentine conta por aí. Aquele famoso clichê onde o governo, ou alguém poderoso, coloca sua ambição na frente dos outros e tenta de tudo para conseguir o que quer. 
Eu achei o mundo que o autor criou maravilhoso, apesar de muito irreal pra mim. Ainda assim o filme consegue explorar muito bem isso com todas as cenas mostrando as cidades se locomovendo, a perseguição a outras cidades e tudo o que isso implica.
Tem também o Tom, que é aquele personagem que caiu ali, não sabe bem porque mas que evolui muito na história. O filme não é bem sobre ele, mas a gente percebe logo um amadurecimento, ainda mais porque ele é um londrino, e sempre viu os anti-tracionistas como inimigos. E falando nos anti-tracionistas, sempre tem aqueles que fazem parte da resistência, e Anna Fang (Jihae Kim) é o maior símbolo deles. Ela é simplesmente a personagem mais foda da história, eu amei demais as cenas com ela porque ela sabe que é muito pika e mostra isso ahsuashaush
Só achei que a filha do Valentine, a Katherine (Leila George D’Onofrio), poderia ter tido um maior desenvolvimento na história. Ela aparece em algumas cenas importantes do filme, mas não faz muita coisa, sendo somente usada no final da trama. Ficou ali jogada à toa praticamente.
O filme é repleto de ação, descobertas, cenas tristes mas continua sempre frenético. A cada luta, e perseguição a gente fica com o coração na mão e eu nem preciso dizer que amei aquele final! 
Antes de terminar a resenha, só queria dizer que o Capitão Khora é muito gato! Pronto, acabou.
POSTADO POR MIRIÃ MIKAELY

Deixe uma resposta para Nessa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 thoughts on “Filme: Máquinas Mortais

  1. Olá, Miriã.
    Quando vi o trailer desse filme fiquei doida para assistir ele. E quando a HarperCollins ofereceu para resenha é claro que aceitei ler. E amei a história mesmos endo bem fora do que estou acostumada a ler. Assim que der vou assistir o filme, mas já vou preparada porque nunca é igual mesmo hehe. Mas é uma pena que não aproveitaram a Katherine na história, no livro ela é uma das principais.

    Prefácio

  2. Oi, Mi

    Eu só fiquei sabendo que tinha um livro quando li a resenha no blog da Sil. Eu tinha até assistido ao trailer antes, mas se tinha algo nele mostrando que era adaptação eu nem vi! Hahahah
    Esse filme tem muito a vibe de Mad Max, por isso acho que vou curtir. Só que estou naquela indecisão se leio o livro antes ou vejo logo o filme de uma vez…

    Beijos
    – Tami
    https://www.meuepilogo.com

  3. Hi, Mika.
    Quando vi o trailer desse filme fiquei super animada para conferi, e quando surgiu a oportunidade de ler o livro corri para conferir antes do filme. Enquanto lia fui dar uma olhada no trailer novamente e fiquei muitoooo decepcionada. Ainda não posso afirmar porque não vi o filme, mas pelo que constatei pelo trailer é bem diferente do livro. Quase nunca reclamo de adaptações porque livros e cinema são gêneros diferentes, mas esse parece ser muito distinto, o que me incomodou. Além do mais, O Tom no livro é super importante e principal na obra, a Hester não tem essa cicatriz fubá e fraca, o nariz dela é cortado mesmo, ela não o tem, a cara dela é feia por causa disso e é dado ênfase sobre este aspecto no livro.
    Mas vou assistir ao filme mesmo assim, espero que as distinções não sejam gritantes como foi desenhado no trailer.
    XO XO
    Alana Gabriela – Books and Stuff

@blogcapitulotreze

Livros baseados em contos de fadas Por quê é importante ler? Livros que se passam fora dos EUA Um dia: livro x filme 5 bebidas para acompanhar um bom livro