Agora é a vez de Evangeline Jenner, a Wallflower mais tímida que também será a mais rica quando receber sua herança. Mas primeiro ela tem que escapar das garras de seus ambiciosos parentes, Evie recorre a Sebastian, visconde de St Vincent, um conhecido mulherengo, com uma proposta incrível: que se case com ela!
A fama de Sebastian é tão perigosa que trinta segundos a sós com ele arruínam o bom nome de qualquer donzela. Mesmo assim, esta cativante jovenzinha se apresenta em sua casa, sem acompanhante, para lhe oferecer sua mão.
Mas a proposta impõe uma condição: depois da noite da lua-de-mel, o casal não voltará a ter relações íntimas. Evie não deseja torna-se apenas mais uma que Sebastian descarta sem piedade, o que significa que Sebastian simplesmente tem que trabalhar mais duro na sua sedução… ou, talvez entregar seu coração pela primeira vez em nome do verdadeiro amor.

Romance | 288 páginas | Editora Arqueiro 
Depois que terminei o segundo livro da série Quatro estações do amor com aquele aperto no coração, fui correndo ler o terceiro volume, Pecados no inverno, isso porque nossa querida tímida e gaga Evangeline Jenner, que mal conseguia manter uma conversa decente com um homem, tinha acabado de cometer a maior loucura: propôs em casamento o maior libertino de Londres, St. Vincent.
Para os perdidos vou relembrar um pouco quem é quem. Evie é uma das Flores Secas. Ao invés de precisar de dinheiro como Annabelle ou precisar se casar com um nobre como Líllian nos demais livros, seu maior problema é conseguir um marido para herdar a herança de seu pai quase falecido, o que acabará também lhe dando liberdade da família materna que a maltrata e a subjuga, mas para isso ela precisa ultrapassar a barreira da timidez, que é tão grande que por vezes faz a menina gaguejar. Por isso, assim que ela vê que St. Vincent não só está disponível como também precisa urgentemente de dinheiro, ela junta o útil ao agradável e lhe faz a proposta.
Foto por Leitora Encantada

Eles então acabam indo a Gretna Green para se casar ás pressas. Porém, após o casamento e podendo visitar seu pai, que na verdade é dono de um clube de jogos, Evie começa a perceber que Sebastian tem mais interesse no clube do que mostra, e agora que ele é praticamente dono, juntamente com ela, fará o possível para administrar o lugar. Essa mudança súbita nos planos faz com que Evie comece a repensar se talvez tenha realmente conseguido sua liberdade. Mas aos poucos essa convivência entre ambos mostrará que por detrás do coração frio e indolente de Sebastian, existe alguém que também merece ser amado.

Foto por Leitora Encantada
Gente, meu resumo ficou meio ruim assim mesmo simplesmente porque não consegui explicar melhor a história, então me perdoem, mas é basicamente isso 😂 A primeira coisa que devo comentar sobre o livro é que eu também não curti muito o casal, mesmo acompanhando o desenvolvimento deles. Não sei bem o que aconteceu, achei que eles foram com muita sede ao pote, as cenas de sedução foram logo no início da trama, enfim, acabei não curtindo tanto o casal assim como no primeiro livro, o que foi um ponto contra a leitura. Também tem Sebastian, que no começo foi extremamente possessivo, machista e mandão, argh! Leia-se: um ogro. Eu gosto de personagens assim, mas na maioria das vezes ele simplesmente tomava decisões porque simplesmente queria, deixando Evie sem escolha, e isso me irritou. Foram nessas horas que achei que Evie fosse bater o pé, mostrar a que veio e ir contra a decisão do cara, mas na verdade ela simplesmente acatou o que ele disse, não querendo discutir, ou seja, menos um ponto pra ele e ela. 
Fora isso, eu amei a história! Gostei de ver uma trama diferente, passando fora de Humpshire, na verdade boa parte da trama acontece no cassino, e por isso, a gente vê pouco envolvimento das Flores Secas nesse terceiro livro, mas foi melhor para conhecer Evie, que com seu jeitinho tímido mostrou ser uma mulher sensual e ao mesmo tempo forte (mesmo que com Sebastian ela tenha feito corpo mole). Eu também gostei de ver Sebastian de outra forma, isso porque ele acabou o segundo livro quase como um vilão, e queria entender melhor o que tinha acontecido com o cara, entender sua personalidade, e vemos que ele muda bastante nessa história, o que foi muito legal na trama.
Foto por Leitora Encantada
O que também gostei foi da aparição de Cam Roham, personagem do primeiro livro da série Os Hathaways, que já li. Foi genial da autora cruzar as histórias, então matei a saudade do personagem, apesar dessa série vir antes em relação a anos, ou seja, encontrei um Cam Roham bem mais novo aqui. 
A escrita da autora continua totalmente envolvente, e mesmo que eu não tenha sentido tanta química no casal, eu torci por eles, principalmente pelas cenas emocionantes do final do livro ❤ Ou seja, terminei o terceiro volume já correndo para ler o próximo, que por acaso já estou terminando e adorando.
Foto por Leitora Encantada

Posts criados 1379

12 comentários em “Pecados no inverno – Lisa Keyplas | Resenha

  1. Oi Mi
    Das Wallflower, Evie é a minha preferida, seguida da Daisy!
    Apesar de todos os pesares, eu sempre simpatizei com o St. Vincent
    Eu torcia pra que ele se tornasse uma pessoa melhor!
    Eu amei o casal, o mais improvável!
    Esse é o meu segundo preferido, só perde pra Escândalos na Primavera!

    Eu não sabia que o Cam pertencia a história dos Hathaways…
    fiquei bem curiosa pra saber o que aconteceria com ele!

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

  2. Oi, Fe. Eu também havia curtido de imediato o Sebastian, mas comecei a achar ele mandão demais, isso me irritou profundamente. Mas fora isso, eu gostei sabe? Acho que a química deles não supera a da Lillian e o Marcus, mas gostei. Eu já li o da Daisy e adorei, meu favorito também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Procura algo? Digite aqui e clicle em enter para pesquisar. e ESC para sair

O que esperar da 3ª temporada de Sex Education 5 motivos para você ler O Inverno entre Nós A moda presente nos romances de época Autores nacionais para conhecer Um clichê, um livro