A garota dele – Simone Elkeles | Resenha

A garota dele é o aguardado spin off de Amor em jogo, de Simone Elkeles. No livro, a autora best-seller explora a história conturbada de amor e de amizade entre Monika e Victor, personagens já apresentados no primeiro livro.
Victor Salazar tem má fama no colégio por causa das brigas em que se envolve e por suas notas baixas. À parte as impressões superficiais, Victor tem um bom coração e está sempre tentando proteger as pessoas que ama. Filho de mexicanos, o garoto não tem uma boa relação com o pai e vive com o dilema angustiante de ser apaixonado por Monika, a namorada de seu melhor amigo Trey.
Inteligente e educado, Trey parecia ser o par perfeito para Monika, mas assim que o terceiro ano começa, ele deixa o namoro em segundo plano para se dedicar às missões de se tornar o primeiro da classe e vencer o campeonato estadual de futebol. O relacionamento dos dois começa a esfriar e alguns acontecimentos surpreendentes vão aproximar Monika do “bad boy” Victor.
Com capítulos intercalados, que narram a história sob a perspectiva ora de Monika ora de Victor, o romance preserva o ritmo de suspense e também a complexidade e os desejos de cada um dos personagens. Assim como em Amor em jogo, Simone Elkeles apresenta uma linguagem descontraída ao mesmo tempo em que constrói um enredo profundo e comovente, no qual discute questões como família, amadurecimento e princípios.

Romance | 304 páginas | Editora Globo Alt 

A garota dele é um spin-off da série Amor em Jogo que vai contrar a história de Victor Salazar e Monika, melhores amigos de Ashtyn. Vic há muito tempo nutre uma paixão não correspondida por Monika, mas a única pessoa que sabe disso é Ashtyn, já que Monika namora seu melhor amigo Trey. Apesar de saber que desejar a namorada do melhor amigo não é a melhor coisa que um amigo pode fazer, Vic leva sua amizade com Trey muito a sério, fazendo qualquer coisa por ele.
A postura de Vic na escola não é a das melhores: notas baixas, muitas ídas a sala da diretora e confusão estão no currículo dele. O pai dele também não ajuda em nada, sempre jogando na cara o fracasso que Vic é, o que é mais um motivo para ele continuar com essa postura.
Há três anos Monika e Trey estão em um relacionamento daqueles que dão inveja. Porém, Monika sente que Trey já não é mais o mesmo que antes. Ele se mantém distante, muitas vezes cansado e 24h respondendo mensagens no celular. Se não bastasse isso, Monika esconde um segredo de todos sobre sua saúde, e cada vez mais fica difícil de esconder para os amigos o que ela realmente tem.
Minha autoria

Com o distanciamento de Trey, Monika acaba se envolvendo mais com Vic, mas como ela poderia estar interessada no melhor amigo do seu namorado? Isto é totalmente errado! Até que uma tragédia fará a vida desses dois mudar e Vic poderá enfim tomar uma decisão: ficar ou não com a garota que realmente ama.

Acho que esse livro tem uma problemática maior do que no primeiro, já que conhecemos mais da realidade dos alunos que estão desesperados para conseguirem boas notas para causar uma boa impressão nas faculdades que se inscrevem. Por isso muito deles acabam se submetendo ao uso de entorpecentes para conseguir focar totalmente nos estudos, o que é totalmente contra a lei, mas que infelizmente sempre acontece, ainda mais em uma lugar como os EUA, onde as universidades levam realmente a sério suas notas no Ensino Médio.
O relacionamento de Trey e Monika já nos é apresentado em Amor em Jogo, mas por trás da fachada de namoro dos sonhos, vemos um Trey que não está realmente muito interessado em passar um tempo com Monika, e uma garota que começa a se descobrir atraída pelo melhor amigo do seu namorado.
Vic tem a fama de bad boy e não é por menos. Ele é latino, suas expectativas em relação aos estudos já é baixa, some isso uma mãe que acabou indo embora, um pai moralista e sem noção, e uma irmã de 14 anos que só sabe causar confusão, e você verá a barra que é a vida desse cara. Já tinha gostado dele no outro livro e gostei muito mais dele aqui, apesar de suas atitudes serem um pouco grosseiras na maioria das vezes.
Minha autoria
Como falei, a problemática do livro é maior, digamos que não ficamos somente presos ao futebol e as demais questões que apareceram em Amor em Jogo, mas assim como o primeiro volume, o desenvolvimento da história aqui se perdeu. A autora traz várias questões para explorar e acaba não explorando nenhuma, deixando o texto corrido e simples, sem aprofundamento. Essa foi a única coisa que me irritou e frustrou durante a leitura. Parece que todos os sentimentos conflitantes entre os personagens foram rapidamente resolvidos e eles já se viram amando um ao outro, eu esperava que a autora conseguisse fazer com que eles ficassem juntos sem soar forçado, mas foi o que me pareceu. Não que aconteça um instalove aqui, não estou falando disso, mas estou falando em relação ao desenvolvimento da relação deles. Uma hora eles vão com calma, outra horas eles simplesmente jogam tudo para o alto, a autora não soube aprofundar isso para parecer algo natural, o que acabou me decepcionando.
A garota dele não tem a mesma genialidade e nem a diversão que o primeiro livro da série, mas ele toca em assuntos importantes e mais uma vez traz personagens cativantes e que acabam encantando o leitor. Pelo que sei, a série terá mais livros mas ainda não tem previsão de lançamento dos demais, o jeito é aguardar.
Posts criados 1379

20 comentários em “A garota dele – Simone Elkeles | Resenha

  1. Oi, Mi!
    Menina, se aqui no Brasil o povo usa de tudo na época do vestibular e afins, imagina nos EUA que você tem de ter notas ótimas desde o começo do ensino médio?
    Que bad que a autora não explorou direito as problemáticas. Pelo que vi, são muitas e isso às vezes é bem prejudicial porque acaba não focando em nada…
    Beijos
    Balaio de Babados

  2. Olá, Miriã.
    Não sou muito fã do gênero, por isso não leria. É uma pena que a autora se perdeu. Acontece bastante isso quando eles querem falar de vários assuntos e acabam não se aprofundando em nenhum.

    Prefácio

  3. Oi, Mi

    Poxa, que frustrante! Me diz o que esses autores têm na cabeça que criam várias possibilidades e não as exploram?
    Eu não li o primeiro livro e não lerei esse. Esse lance high school não chama muito minha atenção, e se for pra passar raiva é melhor nem ler! Hahahah
    Mas devo destacar que achei legal a abordagem do uso de entorpecentes com foco no estudo, é uma realidade pouco explorada na literatura.
    Tomara que melhore no próximo, né?

    Beijocas
    – Tami
    http://www.meuepilogo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Procura algo? Digite aqui e clicle em enter para pesquisar. e ESC para sair

5 livros com CEO que não são babacas 8 livros para chorar 5 lugares para ler Prateleiras criativas O que é sick-lit?