O protagonista desta história é um ser circular que visivelmente não está completo: falta-lhe uma parte. E ele acredita que existe pelo mundo uma forma que vai completá-lo perfeitamente e que, quando estiver completo, vai se sentir feliz de vez. Então ele parte animado em uma jornada em busca de sua parte que falta. Mas, ao explorar o mundo, talvez perceba que a verdadeira felicidade não está no outro, mas dentro de nós mesmos.Neste livro, leitores de todas as idades vão se deparar com questionamentos sobre o que é o amor e quanto dependemos de um relacionamento ou parceira para nos sentirmos plenamente felizes.

Infantojuvenil | 122 páginas | Editora Companhia das Letrinhas 

A parte que falta e A parte que falta encontra o Grande O são livros da categoria infantil que recebi de cortesia da editora mês passado. Como eles são pequenos, resolvi fazer a resenha dos dois juntas, já que ambas resolvem transmitir a mesma mensagem.
A história de poucas palavras fala sobre um ser redondo que tem uma parte que falta, algo que lhe impede de ser completamente feliz. Esse ser então vai rolando em busca da parte que encaixa em si mesmo. Depois de algumas tentativas e alguns acertos, ele encontra enfim a parte que lhe completa. Mas ao mesmo tempo que agora poderá rolar e se sentir feliz, todas as coisas que ele podia fazer e que tinham uma grande importância para si ficaram para trás.

Apesar do livro ser indicado para o público infantil, é notável o quanto suas palavras e reflexões mexem com os adultos. Estamos sempre procurando algo que acreditamos que vai nos trazer a felicidade, algo que pode estar por aí, em algum lugar, só esperando nos encontrar. Pode ser uma pessoa, um emprego melhor, um ensino superior, independente do que seja, nunca estamos satisfeitos. Isso acontece muito com os relacionamentos. Nos frustramos porque procuramos em outras pessoas aquilo que achamos que precisamos, sendo que nem estas pessoas tem condições de nos dar aquilo que queremos.
Estamos em uma era onde todos procuramos relacionamentos, mas em sua maioria eles são fracos e vazios mas se mantém porque nos dão a sensação de conforto. O livro quebra justamente essa sensação. Ele nos mostra que não precisamos de uma segunda pessoa para ser feliz e que nem deveríamos permitir que nossa felicidade dependa daquilo que um dia poderíamos perder.
A parte que falta nos toca porque é um livro que nos traduz. Enquanto procuramos aquela pessoa que nos completa, o trabalho perfeito, o relacionamento que vai nos colocar lá em cima, nos esquecemos de aproveitar os momentos simples da vida, cheios de significado. Nós deixamos de fazer coisas que nos faziam bem por causa de relacionamentos que acreditamos serem a chave para tudo e Shel consegue trazer isso de uma forma simples e dinâmica.
A parte que falta encontra o Grande O tem o mesmo propósito do livro anterior, a diferença é a lição que ela nos passa. Vemos várias pessoas se moldando, mudando seu jeito de ser para se adequarem aquilo que ela acredita ser o certo. Vamos perdendo a essência que temos em busca de aceitação, mas o erro estar em esperar isso das pessoas e da sociedade. O primeiro passo é se aceitar como é e mudar por si mesmo, e não pelo que querem que você seja.
A felicidade e o sentido de estar completo é totalmente subjetivo, vai de pessoa para pessoa, mas só depende de uma única coisa: você mesmo. A lição é essa: não colocar expectativas em relacionamentos, procurar nos outros aquilo que queremos para nós mesmos ou mudar porque queremos nos adequar aos padrões.
Os traços de desenho do autor são finos, bastante simples mas fazem seu trabalho ao trazer a mensagem para o leitor. A capa do livro é dura e toda a estrutura do livro é limpa e simples. A parte que falta e A parte que falta encontra o Grande O é uma leitura curta mas que traz grandes ensinamentos e reflexões.
Posts criados 1379

20 comentários em “A parte que falta e A parte que falta encontra o Grande O – Shel Silverstein | Resenha

  1. Oi oi querida!!
    Adorei a resenha, e fiquei encantada pela história. Não conhecia o livro, pois ultimamente estou desligada das novidades e noticias a minha volta, mas adorei saber e ver tudo sobre ele. Eu não compraria ele pra mim, mas sim para uma amiga.

    Beijoss, Enjoy Books

  2. Também li esses dois livrinhos e achei uma graça, principalmente "A parte que falta encontra o Grande O", pois mostra que além de você não precisar ser como os demais, você pode se transformar, ser "completo" e ser quem você quiser =D

    Adorei a resenha =D

  3. Oi, Dora
    Eu gostei desse também, é importante a mensagem que passa e acho que precisamos ouvir isso de vez em quando, as pessoas se preocupam demais em ser aceitas mas não se aceitam como são.

  4. Oi Mi, tudo bem?
    Eu já tinha visto algumas publicações sobre esses livros por ai, mas não sabia exatamente do que se tratava. Gostei bastante da premissa deles e acho o tema abordado de EXTREMA IMPORTÂNCIA! Acho que o ser humano precisa se reencontrar e isso é o que está faltando mesmo. Estamos nos perdendo em nós mesmos e em meio a tantas informações.

    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Procura algo? Digite aqui e clicle em enter para pesquisar. e ESC para sair

A moda presente nos romances de época Autores nacionais para conhecer Um clichê, um livro Conheça os contos de Blackout Review: Um amor desastroso