Para a tímida Daphne Wade, o prazer culposo mais doce de todos é observar secretamente seu empregador, o duque de Tremore, enquanto ele trabalha no local da escavação em sua propriedade inglesa. Anthony contratou Daphne para restaurar os tesouros inestimáveis ​​que ele tem cavado, mas é difícil para uma mulher manter sua mente em seu trabalho quando seu empregador devastadoramente bonito continua tirando sua camisa. Ele não sabe que ela está viva, mas quem poderia culpá-la por se apaixonar perdidamente por ele?Anthony acha que seu funcionário competente sabe tudo o que há para saber sobre antiguidades, mas quando sua irmã decide transformar a jovem simples de óculos de aro dourado em uma beleza sedutora, ele declara a tarefa impossível. Daphne é devorada quando o ouve … e está determinada a provar que ele está errado. Agora, uma Daphne vibrante e deliciosa emergiu de sua concha e as mesas estão viradas. Anthony vai ver que a mulher dos seus sonhos esteve lá o tempo todo?

Romance de época | 384 páginas | Editora Independente
Daphne Wade é uma jovem restauradora de antiguidades que está empregada na casa do duque de Tremore desde que seu pai falecera. Anthony, o duque, tem uma grande coleção de artefatos históricos que precisam de uma restauração antes de irem para o museu que o mesmo está pensando em abrir, por isso o trabalho de Daphne é inestimável e muito importante.
Só que nestes cinco meses que tem trabalhado lá, a jovem não somente está encantada com Tremore Hall mas também está completamente apaixonada pelo seu dono. O problema é que Anthony não enxerga Daphne como uma mulher, pelo contrário, não sente a menor atração pela garota e ainda chega a dizer que ela se assemelha a um inseto. É claro que ao externar sua opinião para sua irmã Viola, Daphne acabou por entreouvir a conversa e sentiu seu coração despedaçado. O homem que venerava não somente não tinha interesse romântico nela mas também não a via como mulher.
Disposta a ir embora e ser apresentada devidamente a sociedade, assim poderia conseguir um marido e proteção, Daphne pede demissão. Só que Anthony além de não deixá-la ir embora, ainda fará de tudo para convencê-la a ficar, afinal, a garota é importantíssima para a inauguração de seu museu e seria impossível encontrar uma restauradora tão minuciosa como Daphne. 
Agora que sabe o que o duque pensa a seu respeito, toda a deferência com a qual o tratava caiu por terra. Daphne começa a respondê-lo como um homem qualquer e não se importa mais com o que ele pensa dela. O fato pode até se mostrar um ato de rebeldia para o duque, mas na verdade Anthony está estupefato e encantado com essa nova personalidade que surgiu em sua empregada. Resta saber se ele conseguirá ver além disso e se irá convencê-la a continuar ali.
Depois que eu terminei A verdade sobre amores e duques, eu resolvi encarar outras obras da Laura Lee e encontrei esse livro. O exemplar ainda não foi lançado aqui no Brasil e a versão que eu li foi feita com uma tradução paralela, por isso vi muitos erros de revisão, mas nada que atrapalhasse o entendimento da leitura.

Apesar desse livro não ter sido tão bom quanto o primeiro, eu gostei muito da obra e já me diverti muito no início da narrativa. Daphne é totalmente diferente das outras personagens de romance que estamos acostumados. Primeiro porque ela é uma restauradora, e para a época as mulheres não podiam trabalhar. Segundo porque ela nunca esteve em Londres. Sendo restauradora e seguindo os passos de seu pai, a jovem já viajou à África, Mesopotâmia, Creto, Grécia… lugares tão incomuns para as damas mas que são totalmente conhecidos para Daphne.

O contraponto disso é que a personagem deseja se casar e anseia a calmaria de Londres, além do clima constantemente chuvoso. Ao passo que Anthony, o duque que já aprendeu a ter tudo isso, quer viajar e conhecer o mundo mas se restringe pois sabe que seus deveres ducais sempre vem à frente de tudo.
Daphne parece muito inocente a princípio. Algumas ideias dela são bem bobinhas sobre o que é o amor, o poder da sociedade sobre as mulheres, mas a forma como ela foi criada nutriu um pensamento bem moderno sobre o papel da mulher na sociedade. Daphne não entende porque as mulheres não podem se sustentar sozinhas e nem porque precisam de proteção de um título. A personagem traz essa dualidade de personalidades e ideias que são bem legais em sua construção.
Anthony é o famoso duque que gosta de abusar de seu título. Tudo o que ele faz é pensando em seus deveres e vemos o quanto sua criação para ser um duque pesou em seu futuro. Ele assumiu o ducado aos 12 anos, então o homem já cresceu tendo sua vida regrada, sabendo que tudo o que fazia implicaria nas pessoas que dependem dele. Mas apesar disso, Anthony consegue ser moldado aos pouquinhos pelos questionamentos de Daphne e consegue se tornar um homem melhor.
O livro segue um ritmo simples mas confesso, me cansou um pouquinho. Em algumas cenas eu me desinteressava facilmente, não sei se é uma particularidade do livro ou se eu realmente não estava a fim de ler no momento, o fato é que minha experiência não foi tão exuberante como achei que seria. Entretanto, eu amei o final e fiquei com os olhinhos cheios d’água porque apesar de tudo, ainda sou uma romântica incurável. Indico para quem gosta de romances!

POSTADO POR MIRIÃ MIKAELY

Posts criados 1379

3 comentários em “Prazeres pecaminosos – Laura Lee Guhrke | Resenha

  1. Quando vi o nome da autora me animei pois ela é uma das minhas preferidas no gênero, pena que quase não é publicada no Brasil. E ao ler a resenha vi que o livro ainda não foi publicado aqui e que também não é um dos seus melhores, pena. Mas gostei na história e assim que conseguir vou ler.
    Abraços,
    Gisela
    Ler para Divertir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Procura algo? Digite aqui e clicle em enter para pesquisar. e ESC para sair

Conhecendo termos literários Como limpar seus livros e a sua estante? 5 formas de ler e-books 5 livros com CEO que não são babacas 8 livros para chorar