Um milhão de promessas é aquele tipo de livro que você precisa ler quando quer algo mais profundo e reflexivo. Com uma narrativa bastante envolvente, Cinthia Freire conseguiu entregar tudo aquilo que eu estava esperando de uma autora conhecida pela dramaticidade.

Ayla, Thales e Duda se conhecem desde pequenos e são melhores amigos. Mas a conexão que Ayla e Thales possuem um com o outro é muito maior do que esperamos, e é essa amizade que iremos acompanhar ao longo dessa história.

Ver o sentimento dos personagens aflorarem para um possível romance foi muito gostoso de ver. A sinceridade e a pureza, tão presentes nesse início de relacionamento, envolve o leitor e ficamos torcendo para que dê certo e gere frutos. Mas é óbvio que as coisas não seriam tão fáceis assim…

Thales está passando por alguns problemas dentro de casa. A relação com o padrasto piora a cada dia e a negligência da mãe faz com que as agressões verbais se tornem agressões físicas. Thales também tem sérios problemas de aprendizagem, e a falta de um diagnóstico o faz se sentir inútil, incapaz e burro. Some isso aos sentimentos confusos da adolescência e já temos todo um dramalhão para ser desenvolvido.

Mas apesar de parecer uma novela mexicana, a autora consegue trazer tanta delicadeza nas páginas que você sente dentro de si os problemas que os personagens estão enfrentando. Thales esconde muito mais do que aparenta por detrás dos seus olhos tristes, e parece que só existe uma pessoa que se preocupa com ele: Ayla.

Ayla é um ponto central dessa trama. Ela é o alicerce de Thales, a pessoa que ainda acredita nele, que está lá para apoiá-lo mesmo quando ele não quer sua ajuda. E caramba, pensa numa menina forte! Eu não teria estrutura emocional para lidar com tanta coisa como a Ayla consegue, e você vê que ela é realmente tudo aquilo que o Thales precisa na vida. Queria colocar eles num potinho para que parassem de sofrer porque a vida conseguia ser cruel demais com esses dois…

O livro vai seguindo então a linha do relacionamento deles, que tem altos e baixos. Thales tem indícios de depressão e o processo de cura para isso é demorado, então a história tem um ritmo mais lento. A autora se preocupa em transpassar toda a dor e os problemas enfrentados por eles, e por isso a narrativa se torna mais minuciosa, o que pode ser um problema para quem quer algo mais rápido.

Existem também alguns plots e reviravoltas pelo caminho. Milton, o pai de Ayla, é um personagem vital para que todo o desenrolar da história acontecesse, e até Duda, que aparentemente só está ali para uma rivalidade amorosa, consegue nos trazer reflexões.

Sendo meu primeiro contato com a escrita da Cinthia, eu realmente não esperava menos do trabalho dela. A escrita dela é fluída e apesar de terem temas pesados, ela traz muita sensibilidade na narrativa.

Um milhão de promessas foi uma leitura intensa e com muitos ensinamentos. Eu acho que não absorvi tudo o que a história tinha para me dar porque ando meio desanimada com as leituras num modo geral, mas é realmente um livro incrível e emocionante. RECOMENDO!

Um milhão de promessas | 754 páginas | Publicação independente

24 anos. Ama escrever e falar pelos cotovelos.
Posts criados 120

3 comentários em “Um milhão de promessas – Cinthia Freire | Resenha

  1. Oi Mi,
    Fico super feliz que tenha gostado da escrita da Cinthia, ela sempre tem um drama a mais para nos conquistar!
    Entendo quando você diz estar desanimada e isso não te deixa 100%, ainda mais em uma história intensa e impactante como essa. Thales e Ayla são aqueles personagens que dá vontade de abraçar, colocar num potinho para proteger de tudo e todos!
    beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Procura algo? Digite aqui e clicle em enter para pesquisar. e ESC para sair

5 motivos para ler Bone Crier’s Moon 5 autoras de romance de época para conhecer Compre agora o novo Kindle Paperwhite! Músicas para quem ama o universo de League of Legends Spoiler: 3º ato de Arcane