Essa luz tão brilhante – Estelle Laure | Resenha

O pai dela surtou e foi internado. A mãe disse que ia viajar por uns dias e nunca mais voltou. Wren, sua irmãzinha, parece bem, mas já está tendo problemas na escola. Lucille tem só 17 anos, e todos os problemas do mundo. Se não conseguir arrumar um emprego para pagar as contas e fingir para os vizinhos que está tudo em ordem, pode perder a guarda da irmã. Sorte a dela ter Eden, uma amiga tão incrível que se dispõe a matar aulas para ajudá-la. Azar o dela se apaixonar perdidamente justo agora, e justo por Digby, o irmão gêmeo de Eden, que é lindo, ruivo… mas comprometido.Essa luz tão brilhante é a história de uma garota que descobre uma grande força dentro de si enquanto aprende que a vida e o amor podem ser imprevisíveis, assustadores e maravilhosos – tudo junto e misturado.

Jovem adulto | 208 páginas | Editora Arqueiro 

Após o pai ter surtado e ter sido internado, agora é a mãe de Lucille que resolve abandonar ela e a outra filha, Wren, para tentar colocar a cabeça no lugar. A desculpa? Férias de verão… só que a mãe nunca mais retornou. Com medo de alguém descobrir a situação das duas, Lucille que tem apenas 17 anos, fará de tudo para fingir que tudo está bem. Mas primeiro ela precisa de um emprego senão não conseguirá sustentar a fachada por muito tempo já que as contas não param de chegar.
Com a ajuda da melhor amiga Eden, e seu irmão gêmeo – amor platônico de Lucille -, Digby, ela vai descobrir que nem todo segredo está seguro, e que sustentar tudo sozinha nem sempre é a melhor escolha.
Essa luz tão brilhante foi um dos livros que eu mais queria ler ano passado e sabe como é… quando a gente chega com muitas expectativas, a gente se decepciona. Minha sorte é que apesar do começo confuso, que eu tive dificuldade de ler porque a autora mudava facilmente de assunto em poucas páginas, foi que eu resolvi esperar um pouquinho mais para ler a história, e assim, ela fluiu facilmente depois do tempo que eu dei pra assimilar o começo.
Lucille é uma adolescente muito forte porque ela carrega o fardo das péssimas escolhas que seus pais fizeram, isso sem contar que sua principal motivação é Wren, a pequena garota de 10 anos, a qual Lucille ama muito e não quer perder. Senti muita raiva dos pais dela por serem tão negligentes, deixar duas filhas desamparadas, sem dinheiro, com o emocional abalado só porque eles não conseguiam lidar com seus próprios problemas, descontando tudo nas filhas que não tinham culpa de nada.
Wren é uma garotinha fofa, que consegue também aguentar um fardo muito pesado apesar da pouca idade. É triste ver ambas garotas em uma situação dessas, mas elas encontram forças uma na outra, no amor fraterno entre as duas e claro, na vontade de Lucille não deixar nada de mal acontecer a Wren.
Eden, apesar de ser a melhor amiga de Lucille não aparece muito. Na verdade, eu nem vi tanto destaque assim na personagem, mas talvez seja por isso que a autora criou um livro próprio dela. Já Digby tem um destaque maior por Lucille ser completamente apaixonada por ele, daquele jeito que beira um pouco a obsessão. Mas o problema é que ele tem uma namorada, o que quebra o coração da garota porque tem hora que ele dá sinais de que quer ficar com ela, e noutras finge que nada aconteceu. É aquele jeito babaca adolescente homem de ser né? A gente só acompanha mas revira os olhos o tempo todo.
Estelle tem uma escrita muito simples e poética, eu gostei da forma como ela escreveu o livro, mas concordo com a opinião geral, muita coisa ficou em aberto e eu queria saber mais, infelizmente como o segundo livro é sobre Eden, dificilmente teremos como descobrir as respostas pela quais queremos. Mesmo assim eu gostei dos personagens e de seus desenvolvimentos. Espero que Sonhos em flor, segundo livro da série, seja tão gostoso de acompanhar quanto esse.
Postado por Miriã Mikaely

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 thoughts on “Essa luz tão brilhante – Estelle Laure | Resenha

  1. Oiii Miriã

    Eu vi muita critica negativa sobre esse livro, justamente por conta do quanto a autora deixa tudo em aberto, quase ninguém gosta disso. Essa narrativa confusa onde o autor pula de um assunto pra outro do nada me irrita, passei por isso em um chick lit que li recentemente e nem quero lembrar…urggh.
    Esse livro é aquele que tme uma capa belissima e um conteúdo que não estou segura de se é pra mim. Por enquanto acho que não leria, essa narrativa não está senod meu forte ultimamente, mas não descarto um dia futuramente.

    Beijos

    http://www.derepentenoultimolivro.com

  2. Oi Mi!!!!
    SIM
    eu acabei de marcar no skoob que quero ler depois da sua postagem
    de verdade 😮
    não pensei que pudesse ser bacanudo pela capa – descobri um hoje uqe dizem que nao tem final e tem uma capa parecida então ja fiquei assustada, mas acho que daria uma chance sim após sua resenha rs
    Esse negocio de amor platonico e ter que lidar com muita coisa geralmente me gusta rs
    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

  3. Oi, Ivy
    A confusão foi somente no início, depois você vai pegando o ritmo, e eu aproveitei muito a leitura depois disso. Fica coisas em aberto no sentido de não sabermos se a mãe doida dela volta, mas assim, nada a reclamar.

@blogcapitulotreze