Este é o explosivo volume final da trilogia “Fim dos Dias”Depois de escapar dos anjos malignos em “O mundo Depois”, Penryn e Raffe precisam se esconder. Eles estão desesperados para encontrar um médico que possa reverter as deformações causadas pelos anjos. Mas, conforme eles avançam em busca de respostas, uma revelação assustadora sobre o passado de Raffe desencadeia forças sombrias que colocam todos sob ameaça.
Quando os anjos lançam um pesadelo apocalíptico sobre os humanos, ambos os lados se veem a caminho da guerra. À medida que alianças improváveis se formam e estratégias mudam, não se sabe quem sairá vitorioso.
Forçados a escolher um lado na luta pelo domínio terreno, Raffe e Penryn têm uma difícil decisão a tomar: defender sua própria raça ou um ao outro?

Fantasia, ficção, jovem adulto | 322 páginas | Editora Verus

Após ter sido salva por Raffe e sua irmãzinha com uma horda de gafanhotos, Penryn precisa se esconder. A ideia é tentar encontrar um lugar seguro até Raffe conseguir costurar suas asas de volta para tentar destruir os planos de Uriel de se tornar O Mensageiro. Enquanto isso não acontece, Penryn cada vez fica mais confusa com seus sentimentos em relação à Raffe. Ela sabe que numa possível batalha entre humanos e anjos, ambos vão escolher lados diferentes, mas tente falar isso ao seu bobo coração que não consegue entender.
Em meio a revelações bombásticas sobre o passado do arcanjo, forças malignas do Abismo irão surgir na Terra, e tudo leva a crer que o possível Apocalipse orquestrado por Uriel começou.
Fim dos Dias é o último volume da trilogia de mesmo nome e fecha com chave de ouro essa história incrível sobre anjos e humanos. Infelizmente eu demorei um pouco para ler esse volume, sendo assim eu acabei perdendo o ritmo e mesmo que a narrativa estivesse frenética, eu achava tudo muito lento. Não foi algo de todo ruim, mas se comparado ao primeiro e segundo volumes, esse aqui foi o que menos curti.
Penryn e Raffe se reencontram e agora estão mais unidos do que nunca. Os sentimentos que ambos reservam um ao outro começou gradualmente lá no primeiro livro, e aqui vem com força total, apesar de sabermos que pra eles ficarem juntos é quase impossível de acontecer. Mesmo assim ainda é fofo ver a Penryn tão confusa, afinal, ela só tem 17 anos e nunca sentiu isso que está sentindo com Raffe. Suas descobertas são engraçadas e dá um toque de romantismo juvenil a obra.
O crescimento da garota ao longo do livro é notável. Ela já era foda porque tinha que cuidar da  irmã e da mãe, mas agora que matou um anjo e está ajudando outro, Penryn tem praticamente todos os olhos voltados para ela, e sua força e garra são constantemente provadas ao longo da obra. Uma questão bem abordada na obra é a dualidade de opiniões que a gente vê na história. Penryn ao mesmo tempo que ajuda Raffe a se salvar, também deseja salvar os humanos. Ela sempre fica nesse embate de qual lado ela vai ficar e percebemos que todos ali são mocinhos e vilões. Assim como os humanos que acabaram perdendo tudo e fazem coisas absurdas para conseguir sobreviver, temos os anjos que são malvados e cruéis, mas que só estão obedecendo ordens. Ver essas questões sendo retratadas foi muito legal e deixa o leitor dividido sobre quem torcer.
Raffe continua incrível e achei ele nesse livro mais destemido e mais solto. No primeiro volume ele era mais reservado em relação a Penryn, no segundo ele quase não apareceu. Aqui ele já está mais protetor, sabendo o que quer e deixando seus sentimentos à mostra. Ele é muito fofo! Não tem como não babar por esse anjo que numa hora é engraçado e sarcásticos e noutras está pronto pra matar alguém.
Preciso comentar sobre Paige, a irmã de Penryn que foi uma grande descoberta nessa série. Eu fique muito chocada com as coisas que aconteceram com ela no segundo volume, mas acho que nesse livro eu meio que absorvi a situação e consegui aceitar mais facilmente o que a garotinha se transformou. Só sei que ela é fofa e que consegue roubar nosso coração ao mesmo tempo que pode ser má e incontrolável quando precisa comer.
Agora a mãe da Penryn é realmente uma figura. Ela sempre foi um problema pra garota porque tem esquizofrenia e sempre tinha crises, surtos. Ela conseguia ser mais perigosa para todo mundo em sua volta do que pra si mesma, mas nesse livro ela ganha um destaque memorável, e eu que não ia muito com a cara dela, até que gostei da personagem no final. Ela pode ser estranha por conta de sua saúde mental, mas tudo o que ela falava ou fazia tinha no mínimo um fundinho de verdade.
Susan Ee tem uma narrativa incrível, eletrizante e gostosa de acompanhar. Se não fosse esse começo mais lento por conta que eu perdi o ritmo de leitura, eu tenho absolutamente certeza que teria amado de cabo a rabo esse último volume. Nunca gostei de histórias de anjos mas tenho que tirar meu chapéu pra essa obra fantástica e mais do que indicar, obrigar vocês a lerem essa história!

Posts criados 1379

14 comentários em “Fim dos Dias – Susan Ee | Resenha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Procura algo? Digite aqui e clicle em enter para pesquisar. e ESC para sair

Compre agora o novo Kindle Paperwhite! Músicas para quem ama o universo de League of Legends Spoiler: 3º ato de Arcane Músicas com representatividade LGBTQ+ Bully Romance: o que é + indicações