Um verão para recomeçar – Morgan Matson | Resenha

Taylor Edwards nunca se sentiu importante, muito menos alguém que se destaca.Além disso, ela tem a estranha mania de fugir quando as coisas ficam meio complicadas. No dia do seu aniversário, Taylor recebe uma terrível notícia: o pai dela está muito doente. Ela até tenta fugir novamente, mas agora sua família precisa de toda ajuda e união possível.
Então eles tomam a seguinte decisão: passar o verão juntos na casa do lago.
Taylor não vai à casa do lago, onde ela e a família passavam o verão, desde que tinha doze anos, e ela definitivamente nunca planejou voltar. No lago Phoenix, ela reencontra sua ex- melhor amiga, Lucy, e Henry Crosby, sua primeira paixão.
De repente, Taylor se vê cercada por lembranças que preferia ter deixado no passado. Apesar do medo e de querer fugir mais do que tudo, a única coisa que resta a ela é ficar com seu pai e enfrentar os dias da melhor maneira possível.
Nesse verão em família, vivendo momentos tristes e felizes ao mesmo tempo, Taylor percebe que ela tem uma segunda chance de refazer laços familiares e até, quem sabe, poder viver um grande amor.
Um verão para recomeçar é um notável romance sobre esperança, amor e superação.

Drama, jovem adulto | 352 páginas | Editora Novo Conceito 

A família Edwards recebeu a triste notícia de que o pai está com câncer pancreático e tem apenas três meses de vida. Agora eles precisam aproveitar o último verão antes que tudo mude, e a escolha de destino é o Lago Phoenix, onde eles tem uma casa e passavam todos os verões. Mas para Taylor isso é assustador porque cinco anos atrás ela foi embora de lá magoando as duas pessoas mais importantes em sua vida, Lucy, sua ex-melhor amiga e Henry Crosby, seu ex-namorado.

Voltar para o lago será como ter que enfrentar o passado e as consequências de seus atos. E lidar com isso não está nos planos de Taylor, mas enquanto a família se acostuma com a doença do pai, talvez o que lhe reste é realmente recomeçar antes que seja tarde outra vez.

Um verão para recomeçar estava na minha lista de livros desde que fora lançado e eu pude enfim fazer a leitura. Não amei tanto quanto achei que fosse amar, mas transbordei emoções ao longo da narrativa, e por falar nisso, a escrita da Morgan me lembrou um pouco o livro Vinte garotos no verão. Quem já leu essa obra vai encontrar algo semelhante aqui, e pode acabar gostando tanto quanto também.

Taylor é uma adolescente que sempre fugiu quando as coisas ficavam difíceis, por isso é muito difícil para ela encarar os fatos de frente, ainda mais quando sua família não conversa sobre o assunto para nada. O fato dos Edwards serem muito reservados quanto a seus sentimentos foi algo que me incomodou um pouco, talvez porque eu seja tão aberta as emoções e aos sentimentos dos outros que eu tenha esperado que eles se enfrentassem e discutisse o que estava acontecendo, algo que não ocorreu em nenhum momento. Eu sou muito mais do tipo que vai lá e conversa sobre a situação ao invés de me esconder dela e ver a Taylor guardar tudo para si foi algo que não vi com bons olhos.

Mas todo personagem tem suas características e apesar de Taylor não ser uma daquelas que a gente se apega logo de cara, seu desenvolvimento é notável ao longo da narrativa assim como nossa afeição pela garota. Vamos descobrindo aos poucos o que Taylor fez para magoar tanto seus amigos, e mesmo não sendo algo tão abominável assim, acho que a garota se culpou demais por atitudes que qualquer pessoa poderia ter passado, principalmente porque Taylor só tinha 12 anos e não é como se todo mundo fosse tão inteligente emocionalmente nessa idade.

Lucy e Henry são personagens que posteriormente também aparecessem e ver como Taylor lida com a presença deles é bem interessante, ainda mais porque obviamente ela ainda gosta de Henry. Mas o que de fato chama atenção na obra é o relacionamento de Taylor e seu pai, que já sabemos que irá morrer ao longo da narrativa, mas nem mesmo assim é difícil de ler. Eu fiquei completamente emocionada porque perdi minha avó tão abruptamente anos atrás que fiquei pensando se não seria melhor ter tido tempo para se despedir, ou perder de vez ao invés de ficar sofrendo vendo a pessoa definhar aos poucos. A questão é que o pouco tempo que Rob, o pai de Taylor, ainda tem é bem apreciado porque serão os últimos. Ver a vida se esvaindo do personagem me deixou com o coração na mão, mas a forma como ele lida com isso é muito linda. Ainda mais porque ele se aproxima mais ainda dos filhos, como se os aprontando para o inevitável, e mesmo que a vida seja muito injusta ás vezes, ainda temos a esperança de que tudo pode melhorar. Não no caso da morte de Rob, mas no recomeço que Taylor tanto precisa ter e no aprendizado que seu pai deixou a ela: enfrentar seus problemas e parar de fugir, algo que a personagem vai aprendendo aos poucos e duramente.

O que me matou nessa obra foi o ritmo lento. É um livro que foca no verão, mas pouca coisa acontece por lá. Não é um livro adolescente normal que tem vários plots, na verdade é muito mais do mesmo, narrando o dia-a-dia de Taylor e isso me cansou um pouco. As coisas demoram a acontecer de início, mas o final nos reserva grandes emoções, que me deixaram com os olhos carregado de lágrimas. É um livro lindo, que começa lento mas nos reserva um grade final. Eu adorei e indico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 thoughts on “Um verão para recomeçar – Morgan Matson | Resenha

  1. Oiii Mika

    Eu sou suspeita pra falar da Morgan Matson, ela é uma das minhas autoras favoritas e li todos os livros que ela publicou até agora, alguns gostei demais outros nem tanto, mas sempre acho bacana como ela foge da mesmice de retratar só romances adolescentes e busca acrescentar histórias mais profundas, que causem reações nos leitores. É verdade que a narrativa dela é mais pausada, ma é o tipo de autora que sempre vale a pena e insistir em ler até o final, pois todos os livros dela vão crescendo no enredo conforme a gente vai lendo e pelo menos pra mim sempre deixam alguma sensação diferente e boa. Espero que publiquem mais da autora no Brasil, ela merece ser reconhecida.

    Beijos, Alice

    http://www.derepentenoultimolivro.com

  2. Talvez o ritmo lento do livro seja mesmo para dar certo tempo de reflexão ao leitor.
    Confesso que gostei da premissa do livro, é bom quando a gente vê o progresso e amadurecimento do protagonista. E fiquei especialmente curiosa com o pai da Taylor e seu aproveitamento em vista do fim.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ☆ Tem post novo e seria ótimo se você clicasse em um dos links azuis do texto para conhecer a parceira do blog>> Versáteis e Democráticas: T-shirts!

  3. Oi, Alice
    Não lembro de ler alguma outra coisa da autora além desse livro, mas gostei da escrita dela. Só o ritmo que realmente não combina com meu estilo, mas eu adoro esse tipo de leitura, ainda mais com personagens adolescentes.

  4. Olá, Miriã.
    Eu li esse livro logo depois que meu pai faleceu e foi um livro bem emotivo para mim. Por isso amei ele e acabei dando nota máxima. Mas entendo os pontos que você levantou.

    Prefácio

@blogcapitulotreze

Por quê você precisa assinar o Amazon Prime? 8 motivos para assinar o Kindle Unlimited Todas as edições de Harry Potter publicadas no Brasil Como economizar na hora de comprar livros? Presentes para dar no Dia dos Namorados